15 de dezembro de 2010

Quando se segue uma estrela... e se encontra um estábulo

No Evangelho de Mateus, no capítulo 2, vemos a história dos Reis Magos (Sábios do Oriente) seguindo uma estrela.

Baseado nesta Escritura, a questão que vos quero colocar hoje é: “O que é que acontece quando têm estado a seguir uma estrela e ela vos conduz a um estábulo? O que acontece, quando de repente, depois de pensarem que algo grande e glorioso estaria do outro lado e terminam nas traseiras de um celeiro? E ali, em vez de um palácio e de um rei no trono, encontram um pequeno bebé ao colo da mãe? Nada era como imaginaram. Como é que reagem quando seguem uma estrela e encontram um estábulo? Como é que a vossa conduta é afectada pelo resultado das vossas expectativas?

A diferença entre expectativas e realidade é igual a desapontamento.

Mateus 2:1-12
“Tendo, pois, nascido Jesus em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que vieram do oriente a Jerusalém uns magos que perguntavam:
Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? Pois do oriente vimos a sua estrela e viemos adorá-lo.
O rei Herodes, ouvindo isso, perturbou-se, e com ele toda a Jerusalém;
E, reunindo todos os principais sacerdotes e os escribas do povo, perguntava-lhes onde havia de nascer o Cristo.
Responderam-lhe eles: Em Belém da Judeia; pois assim está escrito pelo profeta:
E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as principais cidades de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar o meu povo de Israel.
Então Herodes chamou secretamente os magos, e deles inquiriu com precisão acerca do tempo em que a estrela aparecera;
E enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino; e, quando o achardes, participai-mo, para que também eu vá e o adore.
Tendo eles, pois, ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela que tinham visto quando no oriente ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino.
Ao verem eles a estrela, regozijaram-se com grande alegria.
E entrando na casa, viram o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro incenso e mirra.
Ora, sendo por divina revelação avisados em sonhos para não voltarem a Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho”.

A parte mais maravilhosa da história dos Reis Magos ou Sábios do Oriente, foi o que eles fizeram quando chegaram ao estábulo. Através das suas acções, eles ensinam-nos 3 coisas de tal maneira importantes que creio que todos os homens sábios, as têm feito quando chegam a um estábulo - a um lugar ou situação que não é exactamente o que eles esperavam.

Vejamos:

1. Homens sábios procuram Deus no estábulo

Cristãos imaturos apenas são capazes de ver Deus no bom.

Cristãos maduros vêem Deus no bom e no menos bom (aquilo que muitas vezes consideramos mau para nós).

Durante a II Guerra Mundial, um grupo de judeus que fugiam da Gestapo, perante a incerteza da vida, como forma de expressarem a sua confiança em Deus, escreveram com um pedaço de carvão numa das paredes do lugar onde se esconderam, antes de serem descobertos, o seguinte:

“Nós cremos no sol, mesmo quando ele não brilha; cremos no amor, mesmo quando não o sentimos; cremos em Deus, mesmo quando parece que Ele não está cá".

Charles Spurgeon (autor do “Livro de Cheques do Banco da Fé” e considerado um dos melhores pregadores ao longo dos séculos) escreveu:

“Deus é demasiado bom para ser rude. É demasiado sábio, para estar confundido. Se eu não posso conhecer o Seu fim, posso sempre confiar no Seu coração".

2. Homens sábios, oferecem o seu melhor para Deus

A tentação que enfrentamos é, quando as coisas não acontecem como esperávamos, hesitamos em dar o nosso melhor.

A diferença entre uma pessoa média (normal) e um indivíduo acima da média (excepcional) pode ser resumida em 3 palavras: Há muito mais!

emoção muitas vezes determina o compromisso.

Winston Churchill disse:

“O mundo é dirigido por pessoas cansadas”.

3. Homens sábios mudam de direcção

Já tiveram uma experiência de “estábulo” que mudou a vossa vida?

Um dia destes li que, em determinada altura, Henry David Thoreau decidiu ir até ao Lago de Walden e mergulhar nas suas águas, até que as mesmas estivessem ao nível dos seus olhos, para que pudesse ver o mundo segundo os olhos de uma rã. Pensei para mim mesmo: “Que coisa estúpida; na verdade, quem é que se importa com isso”?

Mas esta semana dei comigo a pensar em Henry David Thoreau. Comecei também a pensar no Natal e acerca de Deus. Conseguem ver o que Deus fez? O Deus do Universo, sem qualquer tipo de limitações, permitiu-se a Si mesmo, nascer da virgem Maria. Olhou através de olhos humanos e cresceu tal como vocês e eu, para que nos pudesse compreender e relacionar connosco. Se NATAL é algo, é Deus mudar de um mundo espiritual para um mundo natural e colocar sobre Si mesmo (enquanto homem) limitações. É a história de um bebé nascido em Belém que era muito mais poderoso que o Império Romano existente naqueles dias.

Deixem-me compartilhar convosco algo que li e considero importante e no qual devemos pensar:

“Há 2 séculos atrás, os homens seguiam com a respiração suspensa a marcha de Napoleão e esperavam com impaciência as notícias da guerra. Enquanto isso, as suas esposas, nas suas próprias casas, iam dando à luz os seus filhos. Mas quem é que podia pensar em bebés? O pensamento de todos era dominado pela guerra.
Num só ano, entre a Batalha de Trafalgar e a de Waterloo, chegaram a este mundo uma hoste de heróis. Gladstone (político britânico que foi por três vezes 1º Ministro e introduziu numerosas reformas eleitorais) nasce em Liverpool; Tennyson (Um poeta britânico, aristocrático e nacionalista da era vitoriana) em Somersby; Oliver Wendell Holmes (um dos mais famosos trompetistas de jazz) nasce em Massachusetts; E no mesmo dia, 3 pessoas que marcaram a história conheceram a luz do dia: Charles Darwin em Shewsbury; Abraham Lincoln (Ex-Presidente dos Estados Unidos) em Kentucky e Felix Mendelssohn (Um dos músicos de Musica Clássica mais famosos, por sinal um dos meus favoritos) nasce em Hamburgo”.

Em tempo de guerra, ninguém pensava em bebés; os seus pensamentos estavam voltados para a guerra. Contudo, deixem-me deixar-vos uma questão: “Qual das batalhas de 1809 valeu mais que os bebés nascidos em 1809”? Nós imaginamos que Deus só pode gerir o Seu mundo com grandes batalhões, quando entretanto Ele o está a fazer através de bebés maravilhosos. Quando o errado precisa do certo, a verdade quer ser divulgada ou um continente precisa ou quer abertura, Deus envia ao mundo um bebé para o fazer.

Por isso Jesus nasceu, para trazer a este mundo salvação, vida e vida com abundância.

10 comentários:

  1. Maravilhoso este texto, Pastor.
    "Quando o errado precisa do certo, a verdade quer ser divulgada ou um continente precisa ou quer abertura, Deus envia ao mundo um bebé para o fazer."
    ;o)

    Rute Alves

    ResponderEliminar
  2. o titulo esta excelente, muito bom para um livro ehehehe

    esse texto me fez pensar em duas coisas:

    -penso demasiado no resultado e tendencialmente desvalorizo os ensinos no processo

    -a verdadeira lição está em aprender a cada momento que passamos e não tanto em chegar ao fim

    excelente desafio pastor :)

    ResponderEliminar
  3. "Deus é demasiado bom para ser rude. É demasiado sábio, para estar confundido. Se eu não posso conhecer o Seu fim, posso sempre confiar no Seu coração".

    Aqui está resumido o que tirei para minha aprendizagem. Obrigada Pastor JC por mais esta partilha!

    Pelo menos faz-nos pensar em "coisas" úteis e não fúteis!
    Isa Gonçalves Borges

    ResponderEliminar
  4. Profundo....obrigada por palavras tão quentes nesta época em que à nossa volta por vezes só parece existir o frio do consumismo.
    Jesus continua a fazer do Natal uma época especial-cabe a nós seus seguidores deixar essa marca! Vale sempre a pena.

    ResponderEliminar
  5. Bem dito, Pastor João. Confiar em Deus é imperativo.

    Susan H. Price

    ResponderEliminar
  6. Amado Pastor... Meditei e apreciei imenso... Grande Abraço

    Vitor J. N. Garcia

    ResponderEliminar
  7. A reflexão de suas palavras, faz com que a luz da Estrela de Belém, que ainda brilha, nos leve sempre a compreensão que o estábulo de nossos corações e mentes, podem transformar-se em belíssimas manjedouras para que o Rei dos Reis renasça.

    Caro colega "Quem tu és deixa Marca"!

    Gabriel R. Filho - (RJ/Brasil)

    ResponderEliminar
  8. Boa meditação. Há mérito. Ainda bem que encontraste o estábulo... eu também o encontrei. Ele continua aberto para muitas pessoas obterem a felicidade.

    (Timóteo Pereira)

    ResponderEliminar
  9. Muito bom João. É por isto que considero esta quadra um dos momentos mais significativos e determinantes do calendário cristão.
    Feliz Natal, Jesus nasceu, há esperança para o mundo.

    João Pedro Gonçalves Robalo

    ResponderEliminar
  10. É bem verdade o que o Past.João diz(homens sábios mudam de direcção)que este dia tão especial para todos nós o NATAL esteja vivo em cada dia do ano. Obrigado pelas suas palavras sábias.Past.Alda

    ResponderEliminar