3 de agosto de 2010

Motivação Empresarial e Profissional - Nº4 (Agosto 2010)

Planeamento Centrado em Princípios

Planeamento. Muito frequentemente este elemento é omitido por muitos empresários, profissionais e líderes cristãos ao tentarem alcançar os sonhos e desejos que possuem. Lançam a visão, reúnem as pessoas, mas salvo raras excepções, pouco mais fazem do que “esperar” chegar ao destino desejado. Como podemos mudar tal estado de coisas? O que fazer? Seguem-se algumas ideias que creio poder ajudar a todos.

TIPOS DE PLANEAMENTO

O rumo de cada projecto ou ano que começa é como uma viagem rio abaixo. O decorrer da mesma depende de si, o líder. Quando um líder permite que o “barco” flutue ao sabor da corrente em vez de o navegar e remar, pratica o Planeamento Passivo - ou “falta de planeamento.” Eventualmente isso conduzi-lo-á a si e aos seus colaboradores, sem qualquer preparação, a cachoeiras - ou pior ainda - a cataratas temíveis.

Uma outra prática popular é o Planeamento de Pânico. Os líderes que usam este método permitem que “o barco” seja levado pela correnteza até chegarem os problemas. Então reúnem todos os recursos disponíveis numa luta reaccionária, tentando resolver o problema. Podem ou não sair vivos, mas se sobreviverem, é garantido que ficarão com algumas nódoas negras ou arranhões.

Existe uma alternativa e esta é a chave para a eficácia. É chamada de Planeamento Centrado Num Princípio. É diferente de uma abordagem de planeamento científica ou gestora, que pode ser trabalhosa, mecânica e inflexível, e que muitas vezes causa “o abandono” durante a viagem. O Planeamento Centrado Num Princípio, por outro lado, é uma abordagem artistica ou orientada para a liderança. Fornece planeamento baseado em princípios, mas também reconhece que a vida no geral e as pessoas em particular, não podem ser demonstradas em gráficos ou em mapas.

PRINCÍPIOS PARA PLANEAMENTO

Os sete princípios mencionados a seguir podem orientar o seu planeamento. Use- os e verá que os detalhes dos seus planos ficarão em ordem.

  1. Paixão - Estabelecer alvos arbitrários só porque é um novo ano ou projecto, raramente cultiva a paixão necessária para que o trabalho apareça feito. Deve seguir a sua paixão e estar apaixonado em relação à sua missão (claro que isto requer que a conheça claramente.) Por outras palavras, você deve desejar chegar ao seu destino mais do que qualquer outra coisa no mundo.
  2. Criatividade - Gosto de chamar a isto o tempo de “Retiro.” Significa passar tempo em terra seca, “iniciando mentalmente a viagem”, antes de você e os seus colaboradores se meterem na água. O seu foco deve ser a proactividade. Claro que não será capaz de prever todas as coisas que virão, mas a fé e o planeamento não se excluem mutuamente. É como uma sanduíche: duas fatias de fé com muito planeamento no meio. Passe calmamente e sozinho o tempo que for necessário para poder pensar, orar, sonhar, antecipar, elaborar, imaginar e processar tudo o que Deus tem planeado para abençoar a sua empresa, trabalho ou ministério. Parta para o seu “retiro” apenas com Deus, um bloco de notas e uma caneta. Depois comece a escrever.
  3. Influência - Qual é o seu nível de influência? Será que é capaz de recolher os recursos necessários para chegar ao seu destino? Os três recursos principais de um líder cristão são as pessoas, o tempo e o dinheiro. Pense minuciosamente naquilo que necessita para que o trabalho seja feito. Tem? Se não, pode arranjar? Não é a meio do rio que deve descobrir que não tem comida e coletes de salvação.
  4. Tempo Certo - O tempo certo é crítico. Tudo pode estar no seu lugar, mas se não é o tempo certo para lançar esta missão, projecto ou ministério específico, pode estar a caminhar para o desastre. Os seus colaboradores estão prontos para isso? A sua equipa de liderança apoia-o? Não force nada. Agir no tempo certo aumenta grandemente a sua confiança e as chances para o sucesso.
  5. Trabalho de Equipa - O trabalho em equipa considera o factor relacionamento e está ligado à influência. Lida com os corações das pessoas que lhe são mais chegadas, que o ajudarão a planear e a completar a viagem. Estão todos os seus relacionamentos-chave em boa ordem? Não devem existir problemas não solucionados, tensões escondidas ou uma falta de descanso geral no que toca ao processo do planeamento. Não quererá vir a descobrir, a meio da viagem, que alguns dos seus colaboradores o querem ver atirado ao rio!
  6. Flexibilidade - Todo o bom planeamento considera o desconhecido. É impossível antecipar tudo. Existem duas chaves para a flexibilidade: Primeiro, prepare-se mentalmente pois nem tudo sairá de acordo com o plano. Segundo, olhe para esses “troncos ou galhos submersos” no rio, como oportunidades, não problemas. Tire vantagem das surpresas que surgem no caminho. Esse tronco que pensou ser um obstáculo poderá evitar que vá parar a cataratas não indicadas no mapa!
  7. Colheita - Existem dois elementos chave para o princípio da colheita: fé e fruto. Por outras palavras, pergunte, “Qual é a minha parte e qual é a parte de Deus?” O desejo final é o fruto (sucesso) mas devemos ter a certeza que permitimos a Deus fazer parte do processo. Se o fizermos, seremos capazes de medir a colheita e celebrar os resultados.

COMECE IMEDIATAMENTE

Faça hoje mesmo o compromisso de que não acabará outro ano sem retirar tempo para pensar calmamente e planear. Não calcula os resultados positivos que irá experimentar: falsos começos evitados, tempo e dinheiro poupado, relacionamentos fortalecidos, e a lista não termina...

2 comentários:

  1. É muito importante o planear tudo na vida,sonhar,e o agir naquilo que foi planeado,tendo a certeza que quando o fazemos tudo vai dar certo.mas umas vezes planeamos,mas não se age,outras temos as pessoas mas não se sonha ,não se faz planos,vai-se fazendo .
    (Albano Rodrigues)

    ResponderEliminar
  2. Caro "amigo" João Cardoso...como pediu para as pessoas comentarem, tenho-lhe a dizer que gostei da acepção que fez a uma Viagem de Barco e a todos os contratempos que poderão surgir no decorrer da mesma.
    Uma das maneiras que eu uso para ensinamentos, mesmo na Universidade onde dou aulas é também, do mesmo modo, sempre com exemplos.
    O que me veio á cabeça comentar neste momento é baseado no conhecimento Médico e tenho-lhe a dizer que não podem haver duas pessoas a estabelecer o mesmo plano (mesmo por ordens naturais, como seja por exemplo o estado dos seus órgãos internos).E aí, poderei ajudar , explicando um pouco o que cada órgão pode ou não fazer nesse Planeamento.
    Por incrivel que pareça, quem faz o nosso planeamento é o Figado...e consoante o seu estado, assim será a capacidade de cada um de planear a sua vida ou qualquer evento.
    Já a capacidade de resolver o que está planeado pertence ao órgão Vesicula Biliar.Consoante o seu estado , nós conseguimos executar as coisas.
    Sendo assim, e não querendo alongar-me em tratados de Medicina, temos que:Algumas pessoas conseguem planear tudo, mas nunca executam as coisas até ao fim...essas pessoas sofrem da Vesicula Biliar.
    Outras só conseguem obedecer a ordens....nunca planeiam nada...essas sofrem do Figado.
    Quem consegue planear e executar tudo até ao fim, tem o Figado e a Vesicula a funcionar em ótimo estado.
    Resumindo:O Figado é um Arquitecto e a Vesícula é um Mestre de Obras.
    Claro que o ideal seria todos termos saúde...mas aqui deixo uma dica para que as pessoas que precisem de ajuda o reconheçam afim de se equilibrarem no futuro e dessa forma consigam com a ajuda preciosa dos seus conselhos estabelecerem então "ordem" nas suas vidas e nos seus actos.
    Desculpe a delonga, mas tentei mesmo assim ser "curto e grosso".
    Um abraço
    António Ferreira

    ResponderEliminar