18 de maio de 2010

Mudar a Atmosfera da Igreja (Parte 2) - Maio 2010

Atmosfera Afectada pelo Legalismo

A mudança de atmosfera é absolutamente necessária no mover da igreja em direcção à manifestação de Deus. Requer a mudança de atitude espiritual, perspectiva e paixões na igreja como um todo em todas as áreas essenciais. Esta mudança de clima pode necessitar de acontecer nalgumas das tradições da igreja. O legalismo, uma forma de relacionar-se com Deus mais na base de regras do que na base de relacionamentos, cria um clima pouco convidativo para pessoas espiritualmente mortas. O legalismo externo que requer certo vestuário, acções ou atitudes das pessoas, necessita de ser visitado pelo amor e graça de Deus.

Legalismo – Uma Atitude Detectável

O legalismo é uma atitude, embora envolva controlo, motivação e poder. Esta fortaleza deve ser removida se se vai mudar o clima espiritual.

A graça de Deus deve tornar-se uma atmosfera prevalecente, dominante no líder e nos outros crentes porque um clima de graça é convidativo tanto para os crentes como para os não salvos. A graça sara as feridas, mas não condena as pessoas por estarem feridas. A graça abençoa sem requisitos; o legalismo tem tantos requisitos que as pessoas não podem ser abençoadas. A motivação para obedecer às leis de Cristo debaixo da graça é a gratidão, mais porque fomos abençoados do que para sermos abençoados. Na Nova Aliança nós trabalhamos a partir de uma posição de bênção para uma posição de obediência por causa da bênção na qual já fomos estabelecidos.

Sem Legalismo, Sem Graça Barata

Precisamos de estar atentos ao legalismo que rouba os Cristãos da sua verdadeira liberdade em Cristo, e da graça barata, cheia de graxa, que falsamente oferece liberdade fora dos limites bíblicos. O clima da igreja deve estar saturado de uma dose bíblica da graça do Novo Testamento. Através do Novo Testamento, o pensamento predominante é a graça de Deus em Cristo que nos redime, governa e nos dá uma consolação eterna e boa esperança.

Sete Elementos Essenciais para uma Atmosfera Saudável

  1. As conversações que se têm - Nas reuniões, nos grupos, nos aconselhamentos, no discipulado, nas conversas de corredor, nas “reuniões de oração” e outras.
  2. Um espírito penetrante de amor - O pastor, toda a liderança, cooperadores e membros da igreja expressarem abertamente o seu amor pelo Senhor, uns pelo outros e pelos perdidos. Existencia de um nível profundo de cuidado na igreja.
  3. Um espírito de expectativa e entusiasmo a saturar a igreja - Os membros da igreja virem para os cultos esperando que o Espírito de Deus dê uma colheita regular de almas. Sentir-se o entusiasmo quando se entra nas instalações da igreja.
  4. Um sentido de urgência motiva as pessoas - O sentido de urgência vem de uma compreensão clara do “momentum” das coisas.
  5. Ensino relevante - É essencial para a motivação.
  6. Operação sobrenatural de Deus - Muitas igrejas estão paralizadas pela sua incapacidade de crer que Deus pode mudar vidas sobrenaturalmente. Qualquer vida submetida a Deus está a submeter-se a uma oportunidade para um milagre.
  7. Um espírito de equipa e uma visão partilhada - O pastor não é visto como um atirador fortuito ou sonhador, mas vê-se o mesmo tipo de atitude e motivação em toda a liderança. Os crentes compreendem que são também responsáveis por cumprir a Grande Comissão.

Isto Gera

  • Uma atmosfera de céus abertos, sem impedimentos espirituais.
  • Uma atmosfera de expectativa unificada.
  • Uma atmosfera de esperar surpresas sobrenaturais; não servir a um Deus comum, vulgar.
  • Uma atmosfera na qual todos podem receber; nenhumas limitações bíblicas sobre qualquer pessoa.
  • Uma atmosfera em que as pessoas são honradas e valorizadas; nenhuma pessoa é insignificante, sem valor.
  • Uma atmosfera de vitória em que é possível ganhar na vida e Deus é capaz de fazer qualquer coisa.
  • Uma atmosfera de Cristianismo ofensivo e agressivo, não uma que é defensiva e que “guarda o castelo”.
  • Uma atmosfera de dar liberalmente sem egoísmo e pensamento tacanho, sem pretextos ou desculpas.

Esta atmosfera que produz vida, dá amor, emite graça é aquilo que a igreja precisa actualmente para avivar aqueles que estão estéreis e para produzir o fruto da colheita que desejamos.


7 comentários:

  1. Muitos aspectos que focou têm carácter urgente. Independentemente da crença religiosa julgo que são artigos importantes para todos, para uma reflexão profunda acerca de muitas questões onde todos temos um papel activo, apesar de nem sempre o sentirmos assim. Parabéns João. O seu blog denota dedicação e empenho.

    ResponderEliminar
  2. Quarta Parte
    Eu sou filho de um Pastor que nunca me apresentou um Deus imposto à sua vontade, desígnio ou conveniência, a escolha foi sempre minha no que se refere às opções disponíveis. Deus sempre foi e é uma força presente na vida diária da minha família, nos bons e maus momentos, vi Deus a operar na vida da minha família e daqueles com quem convivemos, sei que para quem estiver no caminho certo Deus Corrige, Dá Alento e Entendimento, mas a passada certa terá sempre que ser nossa. O meu pai sempre me disse que Deus não tem em conta o tempo da nossa ignorância. Mas apartir do momento em que deixamos de ser meninos e a ignorância é substituída por conhecimento, Deus Espera que Cumpramos a Sua Palavra, para que os frutos sejam bons.
    De tudo quanto aprendi ao longo da minha vida, existe um factor importante sobre todos os outros, sabendo que sempre pôde e poderei contar com a minha família, o que de mais difícil é de aprender é permanecer sozinho nas convicções que sabemos certas e conjuntamente com Deus optar pelos caminhos que são os mais correctos, mesmo que estes se revelem mais difíceis.
    Nunca experimentei qualquer tipo de droga, nunca bebi álcool em demasia, nunca me tatuei ou coloquei brincos ou piercings, não porque seja mais que alguém, ou por algum motivo sobrenatural, transcendente ou para engraxar alguém, apenas sou o que a minha consciência em Cristo me dita, pois, houve um dia que conscientemente eu aceitei e incorporei Cristo e tudo o que Ele fez na minha vida. Prefiro pagar o preço de não pertencer ao mundo, do que pagar o preço de não ser um filho de Deus. Pois viver segundo as regras das trevas, da ignorância sem saber o que se faz e quais as suas consequências é indubitavelmente um fim catastrófico. Pois mesmo que fosse uma pessoa mundana que não conhece-se Deus, tais comportamento não deixariam de ser reprováveis por quem tem bom senso, até há bem pouco tempo só os escravos e as bestas eram marcadas, adornando o corpo, revelando sensualidades, para na sua pobreza atraírem concupiscências e venderem o corpo para aquilo que outros lhe quisessem impor. A memória turva e perde-se com o tempo e é fácil adoptar como nosso o que anteriormente era condenado, apenas porque o mundo achou diferente.
    Deus quer-nos livres em Cristo. Acho que havendo sacrifício esse deve ser para praticar boas obras e compreender diariamente a Palavra do Senhor, o que não é uma tarefa fácil (II Pd.3.15-17). O caminho pode ser apertado e a porta estreita, mas em consciência própria liberta de mundanismos mal intencionados, pois como o Apostolo Paulo disse: “Tudo me é possível, mas nem tudo me convém”. Há que abraçar o essencial e abandonar o acessório, pois assim o caminho é percorrido com o necessário e a porta será atravessada justamente.
    Tiago Moisés (Fl.4.8)tiago_moises@sapo.pt

    ResponderEliminar
  3. Terceira Parte
    Os Lideres não devem estar no topo, mas sim no fundo do vale, para onde todas as coisas convergem e onde tudo repousa. Começando por ajudar aqueles que estão mais abaixo, mais descapitalizados, mais cansados, mais oprimidos, mais desanimados, apontando sempre para o alto onde está Cristo. Foi Ele que desceu do alto e foi ao vale profundo onde nós como ovelhas feridas jazíamos sem nada podermos fazer por nós próprios. Que Cristo nos salvou e mostrou uma nova vida Nele. O verdadeiro líder tem um Dom concedido por Deus, é seu dever através das suas obras revelar o que Deus Lhe colocou no coração, e através da sua vida, o pastor cuida do rebanho de Deus que lhe foi confiado para o guiar pelo caminho apertado e atravessar a porta estreita. (I Pd.5.1-4; I Cr.9.15-27; Luc.13.24).
    Dito isto, e considerando os aspectos que o Pastor João Cardoso explanou, e sobre os quais eu meditei profundamente, chego à conclusão de que a liberdade em Cristo é uma realidade, desde que os requisitos bíblicos para tal se cumpram, onde a família Cristã não seja só composta por bebés ou meninos, mas também por adultos que praticam a palavra de deus e se desenvolvem até atingirem a estatura completa de Cristo e esta edificação deve ser feita em amor e práticas acertadas, (Fé), (Ef.4.10-16).
    A atmosfera dimensiona e comporta-se segundo o corpo que envolve, logo a igreja não se limita às instalações, às músicas, às conversas de corredor, aos crentes, ou aos líderes. Mas verdadeiramente engloba toda a existência daqueles que se observam e verificam nas obras praticadas e que aí vêem toda a magnificência do Senhor. (Ef.5.1-21) Não é a atmosfera que produz vida, dá amor, emite graça ou dá salvação, mas sim os frutos das boas obras, primeiro feitas por Cristo e depois exigidas a quem amigo de Cristo. Qual é atmosfera que a nossa vivencia produz !? A atmosfera dos frutos bons ou atmosfera bolorenta, cheia de bafio resultado dos frutos maus da desobediência a Deus. (Gal.5.13-26)
    Somos uma Igreja de crentes que o mundo considera uns falhados porque não lutamos por bens materiais em primeiro lugar, mas que reconhecem que tudo pertence a Deus e que buscam em primeiro lugar o Reino de Deus.
    Que dizem sim quando é sim e não quando é não!
    Que não prometem facilmente, mas que têm sempre em mente a palavra de Deus, que recomenda não fazer planos de acordo com a precariedade humana do faço ou não faço, mas se em tal data Deus quiser, farei ou irei!
    Porque quando chega a luta não desistimos de fazer o que Deus menciona na Sua Bíblia, e não o que dá vontade de fazer!
    Que aproveitamos todos os momentos que Deus nos faculta para transmitir a Sua Palavra através do testemunho das nossas obras, pondo de lado o mundano!
    Será a Palavra do Senhor tão pesada, injusta e impossível de seguir que Jesus Cristo e seus Apóstolos nem lhe tocariam com um dedo (Luc.11.46) e tenhamos de abandonar o caminho certo, e juntarmo-nos à lei Babilónica para o Mundo nos entender e nos sentirmos falsamente confortáveis, mas tão longe de Deus e da Sua Palavra! Que fiquemos bolorentos, estéreis, espiritualmente mortos em busca de atmosferas e avivamentos.

    ResponderEliminar
  4. Terceira Parte
    Os Lideres não devem estar no topo, mas sim no fundo do vale, para onde todas as coisas convergem e onde tudo repousa. Começando por ajudar aqueles que estão mais abaixo, mais descapitalizados, mais cansados, mais oprimidos, mais desanimados, apontando sempre para o alto onde está Cristo. Foi Ele que desceu do alto e foi ao vale profundo onde nós como ovelhas feridas jazíamos sem nada podermos fazer por nós próprios. Que Cristo nos salvou e mostrou uma nova vida Nele. O verdadeiro líder tem um Dom concedido por Deus, é seu dever através das suas obras revelar o que Deus Lhe colocou no coração, e através da sua vida, o pastor cuida do rebanho de Deus que lhe foi confiado para o guiar pelo caminho apertado e atravessar a porta estreita. (I Pd.5.1-4; I Cr.9.15-27; Luc.13.24).
    Dito isto, e considerando os aspectos que o Pastor João Cardoso explanou, e sobre os quais eu meditei profundamente, chego à conclusão de que a liberdade em Cristo é uma realidade, desde que os requisitos bíblicos para tal se cumpram, onde a família Cristã não seja só composta por bebés ou meninos, mas também por adultos que praticam a palavra de deus e se desenvolvem até atingirem a estatura completa de Cristo e esta edificação deve ser feita em amor e práticas acertadas, (Fé), (Ef.4.10-16).
    A atmosfera dimensiona e comporta-se segundo o corpo que envolve, logo a igreja não se limita às instalações, às músicas, às conversas de corredor, aos crentes, ou aos líderes. Mas verdadeiramente engloba toda a existência daqueles que se observam e verificam nas obras praticadas e que aí vêem toda a magnificência do Senhor. (Ef.5.1-21) Não é a atmosfera que produz vida, dá amor, emite graça ou dá salvação, mas sim os frutos das boas obras, primeiro feitas por Cristo e depois exigidas a quem amigo de Cristo. Qual é atmosfera que a nossa vivencia produz !? A atmosfera dos frutos bons ou atmosfera bolorenta, cheia de bafio resultado dos frutos maus da desobediência a Deus. (Gal.5.13-26)
    Somos uma Igreja de crentes que o mundo considera uns falhados porque não lutamos por bens materiais em primeiro lugar, mas que reconhecem que tudo pertence a Deus e que buscam em primeiro lugar o Reino de Deus.
    Que dizem sim quando é sim e não quando é não!
    Que não prometem facilmente, mas que têm sempre em mente a palavra de Deus, que recomenda não fazer planos de acordo com a precariedade humana do faço ou não faço, mas se em tal data Deus quiser, farei ou irei!
    Porque quando chega a luta não desistimos de fazer o que Deus menciona na Sua Bíblia, e não o que dá vontade de fazer!
    Que aproveitamos todos os momentos que Deus nos faculta para transmitir a Sua Palavra através do testemunho das nossas obras, pondo de lado o mundano!
    Será a Palavra do Senhor tão pesada, injusta e impossível de seguir que Jesus Cristo e seus Apóstolos nem lhe tocariam com um dedo (Luc.11.46) e tenhamos de abandonar o caminho certo, e juntarmo-nos à lei Babilónica para o Mundo nos entender e nos sentirmos falsamente confortáveis, mas tão longe de Deus e da Sua Palavra! Que fiquemos bolorentos, estéreis, espiritualmente mortos em busca de atmosferas e avivamentos.

    ResponderEliminar
  5. Segunda Parte
    Atmosfera Afectada pelo Legalismo – Podemos nós filhos de Deus, Acusa-lo através da sua Palavra de legalismo (vontade expressa de Deus) !?,
    Tornará o legalismo o caminho mais difícil e estreito!?
    Reduzirá as massas presentes nas igrejas, pois a Lei do Senhor é clara no que refere ao que se deve ou não fazer estando em Cristo!?
    A Lei existente na sua Palavra já não é para cumprir para produzir boas obras e sabermos o que agrada ou não a Deus, porque Cristo morreu na cruz e levou os nossos pecados com Ele!?
    Podemos nós depois de estarmos purificados no Sangue de Cristo e cheios do Espírito Santo, praticar as obras das trevas, mesmo que seja a mais pequenina de todas e não nos afastarmos de Deus!?
    Estamos pois a falar de não servimos a dois senhores (Mat.6.24; Ti.3.10-12), nós não podemos Servir Deus a 99% e ao Diabo 1%. A Palavra do Senhor é clara, quem comigo não junta, espalha. A Palavra do Senhor deve ser entendida e praticada como um todo e não se pode moldar segundo as necessidades circunstanciais de um ou mais indivíduos, (II Pd.2.1-22). Onde porque o caminho para a salvação é estreito e difícil, é abandonado a favor de um maior número de crentes que atraídos por um caminho de facilidades, frutos invisíveis e “sobrenaturais”, mas que no final encontram Cristo, que diz: Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade! Pois, Quem não está com Deus, está contra Ele, pois largo é o caminho que conduz à perdição e muitos são os que entram por ele (Mt.7.13).
    Para ter a graça não é preciso ter requisitos, é a infinita misericórdia de Deus, através de Jesus Cristo que no-la concede. Mas depois de ter a graça, já não estamos mais perdidos, já não praticamos as obras do Diabo, mas damos frutos bons, porque estamos salvos, pela Graça, gratuitamente pelo sangue derramado por Cristo, nem as nossas obras contribuem em nada para a nossa salvação, mas praticamos boas acções porque estamos salvos. Há requisitos! Se continuarmos a ser filhos de Deus.
    Essa Fé é visível através das obras que praticamos, pois aos Olhos do Senhor todas as coisas são iguais, não existe graça barata, mas sim Graça concedida por Um Deus Misericordioso ao Homem que só merecia a morte. Nem tão pouco vislumbro graxa, que ofereça ou não liberdade fora dos limites bíblicos, pois os filhos de Deus são pela Palavra do Senhor incorruptíveis, (Gal.6.7-10) e nem nada temem sem ser ao Senhor, pois são o sal e a luz da terra. Estar em Cristo que é videira não é uma opção, mas sim uma obrigação do crente, enquanto há tempo fazer o bem a todos. (Jo.15.1-14) Só seremos amigos de Cristo se Fizermos o que Ele nos manda.

    ResponderEliminar
  6. Primeira Parte
    Antes de mais, quero manifestar que a minha única intenção na intervenção que efectuo é enquanto servo de Deus, que procura estar preparado para dar frutos, tal como Paulo Escreveu aos Filipenses (Fl.3.13-17) disse: “Irmãos, quanto a mim não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante de mim, prossigo para o alvo, pelo prémio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentires alguma coisa de outra maneira, também Deus vós revelará, mas naquilo a que já chegámos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo”.
    Procuro evitar discussões inúteis, que não servem para nada, a não para a perdição dos que as ouvem. Contribuir segundo o que o Senhor coloca em mim através da leitura e meditação da Sua Palavra e que com Fé Inabalável uso diariamente, não para ser aprovado pelos Homens, mas para viver na Liberdade de Cristo onde os frutos, dessa liberdade se vivenciam sejam o sal da terra e a luz do Mundo e onde seja notada a diferença da alegria consciente de se poder Ser um Filho de Deus, pelo sacrifício de Jesus Cristo e agora que estou na luz, pratico livremente boas obras, pois já não estou mais sobre o domínio do pecado, (Gal. 5.16-26).
    Lendo o texto do Pastor João Cardoso que fala em mudar a atmosfera da igreja quais são os aspectos que consideramos mudar?!
    As instalações!? A música?! A localização?! Os crentes?! Os líderes?! A Palavra!?
    A Visão que o Senhor deposita em mim sobre Atmosfera é: do grego ατμός (atmos) = vapor + σφαίρα (sfaíra) = esfera, refere-se à camada de gases que envolve determinado corpo celestial, ora desambiguando o seu significado, como o meio em que se vive e que nos influencia, e utilizando a correcta analogia para o nosso contexto bíblico. A atmosfera de uma igreja refere-se ao corpo que os crentes formam, que é rodeado pela crença em Deus e que pela palavra de Deus provoca o vazio que permite fazer obras. Obras estas que seguindo a Lei (vontade de Deus) que a palavra do Senhor (bíblia) nos ensina, Estáveis mortos, Cristo salvou-vos, agora procedam como filhos de Deus. Como pudemos analisar por exemplo em (Cl.1.21-23).
    Ora, Compreender o Poder da Atmosfera, A atmosfera não tendo os gases necessários para a vida, esta definha. Atingindo diversos graus de degradação até atingir a morte, faltou-lhes o conhecimento de Deus. (Os 4.6)
    A única forma de a atmosfera da igreja verdadeiramente sustentar os crentes é pela palavra do Senhor, e pelo Espírito Santo que faz toda a diferença. (Jo.15.7-8)
    Os Lideres e sua atitude nada deve ao encorajamento ou desenvolvimento individual, mas sim ao conhecimento profundo da palavra ligada à prática diária visível dos crentes, (Jo.3.21) pois quem molda os líderes não são as atitudes mas sim o Dom que Deus lhes facultou, dai as recomendações do novo testamento sobre quais as atitudes e práticas que agradam a Deus, ou podemos nós ser filhos de Deus e lutar contra Ele, praticando actos contrários à Lei da Liberdade do Senhor. (I Jo.3.1-24)

    ResponderEliminar
  7. Paz,

    Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus continue lhe abençoando poderosamente.

    Estou seguindo o vosso blog.

    Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

    http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

    Siga-nos também.

    Fica com Deus.
    Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

    ResponderEliminar