31 de março de 2010

Liderança Hoje - Nº 1 (Março 2010)

A próxima geração de líderes


Quanto mais sabemos sobre liderança, mais rápidamente crescemos como líderes e mais longe seremos capazes de ir. Aprender com as experiências de outros capacita-nos a ir mais longe e mais rápido. É esta verdade simples que me inspira a partilhar com todos, com menor ou maior experiência, o que hoje vos escrevo e servirá de introdução a tudo o que a partir de agora desenvolverei mensalmente, sempre com isto em mente: “Somos responsáveis por formar a próxima geração de líderes”.
Com mais de 50 anos de idade e 30 de ministério, pastoreando uma Igreja Local para além das inúmeras outras responsabilidades que tenho, vejo-me rodeado da próxima geração de líderes – homens e mulheres que têm o potencial para modelar a sua geração. Muitos deles estão ávidos por aprender e empenhados a crescer pessoalmente. Ao ser-lhes dada oportunidade, alcançarão coisas que a minha geração apenas sonhou.
O crescimento do Centro Cristão Vida Abundante proporcionou-me uma janela de oportunidade. Um segmento deste notável grupo de homens e mulheres está interessado no que tenho para dizer acerca de liderança e a conhecer o que impulsiona o meu coração. Por isso considero minha responsabilidade dar o que aprendi – e continuo a aprender – enquanto tenho oportunidade.
Se muito será requerido daqueles a quem muito tem sido dado, creio que muito será requerido de mim. Porque a mim me tem sido dado muito sob a forma de exemplo, oportunidade e treinamento.
Recebi do meu pai um excelente exemplo enquanto crescia. Sendo um homem de negócios ocupadíssimo, sempre encontrou tempo para orar com toda a família e proporcionar-nos tempos de férias e diversão extremamente marcantes. Fui nutrido por uma mãe que viu como sua missão preparar-me, a mim e aos meus irmãos, para deixar o “ninho” com a segurança e ferramentas necessárias para ser bem sucedido neste mundo imprevisível.
Foi muito cedo que os meus pais deixaram de tomar decisões por mim e me ensinaram a decidir por mim mesmo e para a minha vida. Que me lembre, só por duas vezes “tive um toque de recolher”... e que toque... “considerado duro na altura, mas visto hoje como de grande proveito”.
Foi-me dada muita liberdade. Mas também me foi dada uma medida completa de responsabilidade que caminhava lado a lado com aquela liberdade. Muitas das suas correcções vinham através do olhar, pois sabia ser suficiente para o entendimento da mensagem.
Não fui um anjo. Em muitos aspectos fui como qualquer outro adolescente ou jovem. Mas os meus inteligentes pais deram-me muito pouco sobre o qual me rebelar. Em vez disso, encheram-me com aquilo que, olhando para trás, aparentava ser uma quantidade de confiança quase ingénua.
Retrocedendo no tempo, posso ver que os meus pais me estavam a preparar para liderar, para o assumir de responsabilidades. Em termos da actual prática e princípios, muito foi captado em vez de ensinado. Não me lembro de uma só conversa que tenha versado a liderança. Mas através da visão que me passaram e das oportunidades que me providenciaram, foi-me dado um bom começo como líder.
Em termos ministeriais, na dezena de anos a trabalhar servindo outros ministérios, muito do aprendido foi igualmente “mais captado do que ensinado”. Aquilo que parecia uma frustração, transformou-se numa excelente escola. E graças a Deus pela “dádiva” do Eric Lavender (meu amigo e mentor de muitos anos) que sempre me fez entender que cada teste, prova, problema ou viagem ao deserto, eram simples formas de crescimento pessoal e ministerial.
Por essa razão, estou convencido que é minha responsabilidade passar o que sei acerca de liderança à geração que caminha lado a lado comigo, como àquela que me segue, e ainda manter uma mente aberta para aprender com eles. Quero que seja um hábito de vida investir tempo na próxima geração, os homens e mulheres capazes que eventualmente captarão o que partilho, passarão a outros e me substituirão no futuro.
Investi e tenho continuado a investir parte da minha vida a servir a geração que me antecede e a aprender deles tudo o que podia ou posso. Disso não quero desistir, mas ao mesmo tempo, quero partilhar com os que me seguem muito do que tenho aprendido e aos meus contemporâneos deixar alguns desafios para que façam o mesmo.
Este tem sido o meu estilo de vida e visão desde o início. Muitos daqueles que tive o privilégio de “discipular” são agora pastores bem sucedidos nas igrejas que pastoreiam. Outros estão envolvidos no mundo empresarial mas mantêm clara a visão de reino de Deus. Só alguns se têm afastado do mapa traçado por Deus para as suas vidas. Estas são as recompensas e dissabores de um investimento em vidas. Mas vale a pena!
Abordo este tema de compartilhar o que tenho aprendido com o total conhecimento que nos dias adiante de mim, os dons da próxima geração para este mundo, por certo farão eclipsar o que quer que seja que tenha tido para oferecer. Mas, este é que é o ponto. Em liderança, sucesso é sucessão. Se alguém que me segue não é capaz de tomar o que ofereci e edificar sobre isso, ou falhei na minha responsabilidade para com a próxima geração ou eles não quiseram ser alunos. “O bom professor é aquele que ensina tudo o que sabe aos seus alunos e é recompensado no futuro quando os vê fazer melhor do que aquilo que ele fez”.
O porquê desta série de artigos? A “reflexão” dos mais de 50 anos! Algumas questões que coloquei a mim mesmo foram:
  • Quais são os princípios de liderança que desejava que alguém tivesse partilhado comigo, quando ainda era um jovem líder?
  • O que é que sei hoje que gostaria de ter sabido antes?
  • De tudo o que pode ser dito ou partilhado acerca de liderança, o que precisa ser transmitido à próxima geração?
Na minha reflexão, identifiquei 6 conceitos que devem estar sempre presentes em nossas vidas e ministérios e acabam por representar o que considero ser o mínimo irredutível, o essencial para a próxima geração de líderes:
1. COMPETÊNCIA
Os líderes precisam canalisar as suas energias para aquelas áreas de liderança nas quais são capazes de subressaír em excelência. Gastamos tanto tempo e esforço a procurar mudar as nossas áreas de fragilidade ministerial, que por vezes nos esquecemos de aperfeiçoar as áreas fortes, onde se concentram os dons dados por Deus.
2. CORAGEM
O líder nem sempre é a pessoa mais capacitada ou criativa da equipa. Não é necessáriamente o primeiro a identificar uma oportunidade. O líder é aquele que tem a coragem de iniciar, de colocar as coisas em movimento, de avançar.
3. CLAREZA
Tempos incertos, confusos, de crise, requerem daqueles que estão em liderança directivas claras da parte de Deus. Contudo, a tentação dos líderes – jovens ou não – é permitir que as incertezas os deixem paralizados ou sigam as muitas vozes que nessas alturas se levantam. O líder da próxima geração precisa de aprender a esperar em Deus e a ser claro mesmo quando não está certo, quando não está tudo claro e existem dúvidas.
4. MENTOREAMENTO
Você pode ser bom. Você até pode ser melhor do que todos os outros. Mas sem um mentor você nunca será tão bom como poderia ser.
5. CARÁCTER
Qualquer um pode liderar sem carácter, mas nunca será um líder que valerá a pena seguir. Carácter providencia à próxima geração de líderes, a autoridade moral necessária para colocar junto as pessoas e os recursos necessários para levar por diante uma iniciativa ou empreendimento.
6. CARISMA
Todos os bons livros, pregações e ensinamentos que adaptam as estratégias, filosofias e psicologias deste mundo ao Evangelho, podem de facto trazer algum proveito em como alguém pode ser bem sucedido, em como alguém se pode vir a transformar num bom líder. Mas os líderes da próxima geração não poderão nunca esquecer que não impressionarão o mundo com o seu sucesso ou prosperidade, mas com o verdadeiro amor e poder de Deus.
A minha paixão é ajudar todos os que for possível a serem equipados para serem os líderes cuja vida está marcada por qualidades que garantem uma experiência sem arrependimento a todos aqueles que decidirem seguir-vos; líderes que deixam este mundo melhor do que aquele que encontraram.
Pensam que isto é um exagero?
Pensem sobre isto: Existem hoje muitos jovens de ambos os sexos que nas mais diversas áreas – negócios, artes, política, economia, tecnologia, educação, matemática, medicina, religião e outras – modelarão o futuro durante o seu trajecto de vida. Hoje, ninguém sabe quem eles são. Mas o amanhã os revelará. Com a nossa atitude podemos decidir não fazer nada ou investir os nossos dons e talentos e dar oportunidades aqueles que merecem e estão dentro das nossas igrejas.
Vamos começar!?

Sem comentários:

Enviar um comentário