17 de outubro de 2009

Os Filhos e o Mandato de Domínio (Parte 1)

Apesar de toda a retórica relacionada com os direitos das crianças e a sua importância, a perspectiva moderna sobre as crianças é bastante negativa. Uma evidencia clara disto é a opinião reinante de que a família ideal é uma família pequena com um ou dois filhos. Aqueles que mais fazem ouvir a sua voz na defesa da importância das crianças e a necessidade do estado assegurar a educação e a saúde do "nosso mais importante recurso natural" são os mesmos que advogam o "direito" de matar crianças não nascidas através do aborto e a necessidade de limitar o número do nascimento de crianças através do "planeamento familiar" e programas de controlo da população. Se "as nossas crianças" são o nosso mais importante recurso, porque necessitamos de ir até ao ponto de impedir a concepção e limitar o número de nascimentos? A China é conhecida pela sua regra de "uma criança por família", uma regra promovida pela propaganda, controlo de natalidade e aborto, e reforçada pela lei. Mas pouco considerada é a regra não oficial de "duas crianças por família" existente no Ocidente, promovida pela propaganda, controlo de natalidade e aborto, embora não apoiada pela lei.

Contrastando com a atitude prevalecente anti-crianças dos nossos dias está a mensagem positiva da Bíblia em relação à bênção e importância das crianças. Enquanto que o pensamento dominante decreta que a família com uma ou duas crianças é melhor, o ensino das Escrituras é de que, uma família grande (com muitos filhos) é abençoada pelo Senhor. O facto triste, contudo, é que a igreja evangélica moderna (incluíndo o segmento Reformado) tem estado mais disposto a alinhar com as perspectivas do homem em vez de alinhar com as perspectivas de Deus neste assunto. Mas nós que buscamos uma reconstrução Cristã da sociedade através do estabelecimento do domínio de Cristo em todas as esferas da vida, precisamos rejeitar o pensamento daqueles que nos rodeiam, e buscar ser inteiramente Bíblicos na nossa visão das crianças. Os reconstrucionistas cristãos precisam de pensar claramente em relação à importância das crianças e famílias grandes com respeito ao mandato de domínio e tarefa de recosntruír a nossa cultura a fim de que viva em submissão a Cristo e à Sua Lei-Palavra.

Frutificai e Multiplicai

Em Génesis 1:26-28 temos o registo da criação do homem no sexto dia da semana da criação. No versiculo 26, o propósito de Deus é estabelecido: criar o homem à Sua imagem e dar-lhe domínio sobre toda a terra e todo o ser vivente. No versículo 27, a actual criação do homem, macho e fêmea, à imagem de Deus é recordada. No versículo 28, Deus ordena que o homem tenha domínio sobre toda a terra e tudo o que nela existe. O Mandato de Domínio é dado duas vezes ao homem no espaço de três versículos. Primeiro, o Senhor realça que é Sua vontade compartilhar a Sua imagem com o homem e que este governe sobre a terra como Seu representante. Deus disse: "Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre a terra e sobre todos os répteis que se arrastam sobre a terra" (Génesis 1:26). O verbo hebraico "ter domínio" (radah) significa governar, subjugar, ter superioridade sobre, ou tomar posse de, e é aqui traduzido por "domine" para expressar a natureza imperativa da construção hebraica. Então, o versículo 26 enfatiza a vontade de Deus para o homem. Segundo, o Senhor ordena específicamente ao homem que tenha domínio sobre a terra. Ele diz: "Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre todas as aves dos céus e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra" (Génesis 1:28). O Mandato de Domínio é aqui expresso por dois imperativos "sujeitai" e "dominai". A responsabilidade de "sujeitar" a terra é um mandamento de trazer a terra e tudo o que nela existe debaixo do controlo do homem e para o serviço do homem piedoso. Este mandamento de "dominar" chama o homem para cumprir a vontade de Deus para ele como expressa no versículo 26. O Mandato de Domínio dá instruções ao homem para desenvolver os recursos da terra para que o potencial máximo da criação possa ser realizado para a glória de Deus e para o benefício do próprio homem. Coloca todas as coisas debaixo dos pés do homem e responsabiliza-o para utilizar isto no desenvolvimento da cultura humana marcada pela justiça e verdadeira santidade. Mas o cumprimento do Mandato de Domínio não pode ter lugar a menos que os mandamentos de Deus mencionados no versículo 28 sejam observados: "Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra". Estes dois imperativos precedem em tempo e em sequência lógica o mandamento de "dominar a terra". Reparem na progressão: 1) o homem precisa de frutificar e multiplicar-se para que 2) possa encher a terra a fim de 3) ter domínio sobre toda a terra. Por conseguinte, vemos que a frutificação relativamente a crianças é essencial para o cumprimento do Mandato de Domínio! É significativo reconhecer que o primeiro mandamento dado ao homem na Bíblia é o mandamento de "frutificar e multiplicar-se". Este mandamento está baseado na instituição do casamento (cf. Génesis 2:18-24), e coloca o casamento e a procriação de muitos filhos (i.e., uma família grande) no centro do propósito de Deus para o homem no Mandato de Domínio. É também importante notar que este mandamento não foi dado no abstracto, mas concretamente ao primeiro homem e mulher, ao primeiro marido e mulher. É um mandamento que pode ser cumprido somente no relacionamento específico do casamento. O mandamento de "frutificai e multiplicai-vos" não é dado à "humanidade" mas aos homens e mulheres individualmente no contexto do casamento. Obviamente, Adão e Eva não podiam cumprir o mandamento em si mesmos, por isso o mandamento não só os amarra a eles mas passa para os seus descendentes, amarrando maridos e mulheres em cada geração para obedecer ao preceito de Deus de "frutificar e multiplicar-se a fim de encher aterra".

É também vital que consideremos a bênção de Deus que precede o mandamento: "E Deus os abençoou e lhes disse: frutificai e multiplicai-vos...". A bênção de Deus refere-se, no contexto, pelo menos em parte se não na totalidade, ao poder da procriação, i.e., à habilidade de frutificar e multiplicar e encher a terra para que o Mandato de Domínio possa ser continuado. Deus é a fonte de toda a vida humana, seja directamente como no caso de Adão e Eva, seja indirectamente naqueles a quem deu o poder de procriar como os maridos e mulheres. O homem não pode cumprir o mandamento de Deus de frutificar, encher a terra e sujeitá-la, a menos que Deus o abençoe com a habilidade de produzir descendência.

O Mandato de Domínio, portanto, inclui três mandamentos e todos eles são necessários para o seu cumprimento: "frutificai e multiplicai", "enchei a terra" e "sujeitai-a". Aqueles que se focam somente no mandamento de "sujeitar a terra e ter domínio sobre ela", apartam este dever dos dois que o precedem e apresentam uma perspectiva mutilada do Mandato de Domínio. Por essa razão, à medida que propomos o Mandato de Domínio precisamos não só de chamar o homem para ter domínio em todas as esferas da vida para a glória do Pai, mas de igualmente o chamar para seguir todos os preceitos de Deus relacionados com o mesmo. Precisamos de chamar cada marido e cada mulher para buscarem a bênção de Deus para a procriação de muitos filhos.

João Cardoso

9 comentários:

  1. Espero que deppois disto, hajam muito bebés!!! Que bênção!

    ResponderEliminar
  2. Todos os q se dizem filhos de Deus devem meditar nesta palavra.
    Ana Margarida Vieira

    ResponderEliminar
  3. É verdade o que escreve mas, tem de se lembrar que os pais que querem ter filhos devem ponderar antes de mais se vão ter tempo para dar amor, carinho educação (tempo) aos seus filhos ou se vão delegar essas tarefas fundamentais aos educadores e professores.
    Parece-me que em primeiro lugar os pais precisam de olhar menos para o seu umbigo e depois então investirem as suas vidas nas suas famílias.

    Pedro Silva, pai de 3 meninas lindas.

    ResponderEliminar
  4. Verdade Pedro, mas tendo em conta que Deus antes de tudo instituiu a família, é pressuposto que os pais "assumam desde sempre" o seu papel - a de suprir as necessidades básicas que toda a pessoa tem desde criança, o que passa por suprir o que mencionaste.
    Sinceramente creio que as famílias hoje (na generalidade) estão um pouco afastadas dos planos e propósitos de Deus o que as leva a ter valores diferentes daqueles que o Pai preconiza.
    Parabéns para ti e tua esposa, pelas tuas 3 lindas meninas. Creio que és um daqueles que está a cumprir o Mandato.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia. Gosto do teu artigo.
    Há alguns dias atrás um irmão que tinha recebido o Nosso Senhor há cerca de dois anos fez o seguinte comentário:
    "O vencimento que eu e a minha esposa auferíamos, nunca era suficiente para adquirir os bens necessários. Hoje tenho sempre de sobra".
    O sistema do mundo não permite que a vontade de Deus seja cumprida, mas no sistema de Deus, tudo o que Ele mandou é possível e desejável.
    Cumpramos então a Grande Comissão.
    Tony Rocha

    ResponderEliminar
  6. Olá Pastor João Cardoso gostei muito do que escreveu e é muito interessante e ousado esse assunto...hoje sou pai de 2 filhos lindos e falamos num terceiro mas ...um de cada vez...pensámos ter 1 pois "isto ta mal" mas que fé é a minha se limito Deus com minha desconfiança não é Deus o Grande Pai...é sim o Papá...nunca fui tão próspero nem tão feliz em toda a minha vida...vamos confiar...
    Mário

    ResponderEliminar
  7. Aprecio a ousadia de escrever sobre um assunto que nem sequer dentro da igreja tem muita gente a favor dele. Eu concordo consigo a 100% mas infelizmen não posso viver de acordo com isso porque o meu marido pensa exactamente o contrário. Mas enfim, está nas mãos de Deus.

    ResponderEliminar
  8. ...tudo no Seu tempo e do Seu modo...esse é o caminho...que Deus a abençoe irmã.

    ResponderEliminar
  9. O contexto Mundial difícil onde as escolhas e ideais tradicionais arreigados na sociedade demonstram finalmente o resultado concreto de séculos de subjugação humana sobre a natureza e as suas criaturas. Questões como o Aquecimento Global, Desaparecimento da Camada de Ozono, Desflorestação Massiva, Contaminação da Água Potável, Fome, Pressão Demográfica Sobre as Outras Criaturas de Deus, a denominada pegada ecológica Humana assume actualmente o maior e mais pesado contributo para o desequilíbrio da Terra que o Nosso Senhor Criou.
    Citando o texto do Pastor João Cardoso:”[…]Quando Israel foi para o Egipto eram aproximadamente 70 pessoas. Quando saiu do Egipto 400 anos mais tarde era uma nação com alguns milhões. A nação nasceu drásticamente (Êxodo 2:7). O crescimento foi tão espectacular que o Faraó decidiu limitar o seu número através da aflição e da morte à nascença do primogénito macho de cada família (Êxodo 2:9-11).[…]”. Não estará aqui evidenciado que a reprodução humana sem critério, a todo o custo para dominar é o factor principal despoletador da miséria Humana. Devíamos ponderar sobre a “Lei-Palavra” do Senhor "Frutificai e Multiplicai-vos”. Ao invés de advogar a reprodução física Humana como factor único de disseminação da Palavra do Senhor, seria prudente e responsável segundo a sabedoria actual considerar o factor psicológico da frase Sagrada. O Homem integrando uma vida estável e através do Testemunho de Fé individual e colectivo de um povo, onde as alegrias de Viver em Cristo são visíveis e úteis a todos, se Frutifica e Multiplica pela Palavra do Senhor no nosso semelhante.
    Não se pode reforçar a contínua demanda pelo excepcional, onde a riqueza terrena se sobrepõe ao espiritual. De nada vale advogar a defesa de Católicos, Evangélicos, Muçulmanos, Hindus, ou qualquer outro credo! O Apostolo Paulo falou sobre o Deus Desconhecido, propôs à consideração do povo uma Fé de uma forma que este a abraçasse de livre vontade ao Ver o Bem Maior. Deus possui uma dimensão tão grande que de acordo com a capacidade e compreensão Humana assume várias denominações para os Povos da Terra, mas apenas existe um Senhor.
    Dominar e subjugar tudo!? “[…] O Mandato de Domínio é cumprido em Jesus Cristo e em todos aqueles que estão em concerto com Ele pela fé. Cristo conquista o pecado e Satanás, restaura a justiça aos homens e dá-lhes a Palavra de Deus e o Espírito Santo para que possam cumprir o Mandato original de Domínio de governar a terra em justiça como representantes de Deus e desenvolver todo o potencial da terra para a glória de Deus o Pai. A Cristo - o Homem Justo - é dado domínio sobre toda a terra pelo Pai, e em retorno, Ele dá a autoridade para o domínio ao Seu povo (Apocalipse 2:26,27).
    É necessário que seja restaurado em nós o sentido de justiça, o conseguir ser um Homem justo ou razoável, exacto, ajustado, adequado. Exige uma mudança interior, uma incorporação da palavra do Senhor e sua prática diária para que nós na Terra criada por Deus, possamos tratar do Seu Jardim e Todas as Suas criaturas com justeza. Independentemente do nosso sentido de direito sobre algo. Dominar não deve ser entendido como controlo de uns sobre outros a qualquer custo. Dominar é utilizar todas as coisas de forma criteriosa pela palavra de Senhor, sem que nos tornemos cegos, para querermos impor a nossa vontade sobre os outros. Os Homem nada têm que lhe pertença! Apenas serve Deus cuidando e utilizando o que é Dele, sem que no entanto as nossas acções privem as gerações futuras de ter o mesmo direito de servir a Deus, conforme o que pela palavra do Senhor entra no seu coração e segundo os dons que Deus lhes conceda utiliza.

    Tiago Moisés tiago_moisés@sapo.pt

    ResponderEliminar